Os 3 combustíveis da ansiedade

Os 3 combustíveis da ansiedade

Você já viu nos artigos anteriores que a ansiedade é uma epidemia mundial e o Brasil é o país com maior número de casos de ansiedade no mundo.

O momento em que estamos passando atualmente com a pandemia do novo Coronavírus e o distanciamento social aumentam ainda mais os casos.

Por isso eu posso afirmar que você mesma ou alguém que você conhece está sofrendo atualmente ou já sofreu com o excesso de ansiedade.

E nesse artigo eu quero falar sobre os 3 principais combustíveis que alimentam a ansiedade para que você possa reconhecê-los na sua vida e para que consiga se livrar desse ciclo tóxico.

A ansiedade é uma emoção

Embora eu já falado anteriormente, quero relembrar que a ansiedade é um sentimento, uma emoção, natural das pessoas. Ela, assim como o medo e as preocupações, são importantes e úteis para a nossa vida e sobrevivência.

Sentir ansiedade em determinados momentos, como a véspera de uma prova importante, ou diante da necessidade de tomar uma decisão que pode mudar o curso da vida, é normal.

O problema acontece quando esse sentimento de ansiedade foge do controle e toma conta dos seus pensamentos, paralisando suas atitudes e sua vida.

Nos casos de excesso de ansiedade, ou transtorno de ansiedade, a pessoa não consegue se desvencilhar dos pensamentos que causam o medo ou a preocupação, e entra em um ciclo tóxico que se autoalimenta.

Nesses casos ela não consegue mais tomar decisões e atitudes, vive com medo, esperando o dia em que todas as coisas ruins imaginadas irão acontecer. Ela vive em alerta. Ela sente que está em constante ameaça.

Esse estado de alerta constante é nocivo ao organismo e pode causar muitos problemas de saúde como problemas no coração, além das doenças emocionais.

Saiba mais sobre os sintomas da ansiedade no artigo “Quais são os sintomas físicos da ansiedade”.

Os combustíveis do excesso de ansiedade

Esse estado de excesso de ansiedade pode acontecer, muitas vezes, quando a mulher assume muitas responsabilidades, não consegue dizer não, e acaba ultrapassando a sua capacidade de administrar.

Ela pode fazer isso por um trauma, por crenças que a fazem acreditar que precisa dar conta de tudo, ou por causa de uma situação de medo, como de perder o emprego, que pode fazer ela assumir mais atividades do que é capaz de lidar.

O problema é que depois que esse processo é iniciado, é autoalimentado por combustíveis próprios, que são difíceis de serem controlados sem que se esteja consciente deles: os pensamentos, as ações e os sentimentos.

Esses três elementos se alimentam e alimentam um ao outro, formando o ciclo destrutivo emocional.

Para que você entenda melhor imagine o exemplo que citei um pouco acima, da pessoa que tem medo de perder o emprego.

Por causa de algumas situações da vida, como o marido ter perdido o emprego recentemente ou algumas pessoas do trabalho dela terem sido demitidas, o medo de perder o emprego surgiu em sua mente.

Através dele ela começou a pensar que não poderia errar no trabalho porque poderia causar sua demissão.

Por causa disso ela começou a sentir muita tensão, cansaço frequente, irritação, insônia e sintomas de taquicardia.

Outra reação foi o aumento da insegurança. Ela começou a conferir várias vezes o seu trabalho, a pedir que outras pessoas conferissem seu trabalho, e também a assumir mais trabalho do que poderia realizar no seu dia. Ela não conseguia dizer não.

Todas essas mudanças a faziam se sentir mais cansada, mais insegura, a demorar mais na entrega de seus trabalhos. Tudo isso a deixava mais culpada e com a sensação de que precisava se esforçar ainda mais para dar conta de tudo.

E qual é a solução para frear esse ciclo tóxico?

A consciência é o caminho para romper esse ciclo. Quando você consegue identificar esses pensamentos, sentimentos e ações que alimentam sua ansiedade, pode controlá-los e assim reduzir o alimento para os outros combustíveis e, aos poucos, reduzir o nível de ansiedade na sua vida.

O ideal é escolher um desses combustíveis e começar a reduzi-lo individualmente. Sugiro que seja o sentimento, já que normalmente ele é o mais profundo e quem desencadeia todo esse processo.

É importante descobrir quais são esses sentimentos e trabalhá-los para ressignificar, ou seja, para alterar o gatilho emocional gerado por eles.

Existem muitas técnicas que ajudam a acalmar a mente, a descobrir essas emoções e a ressignificá-las, como técnicas de respiração, de meditação, de relaxamento, mindfulness, etc.

Você pode saber um pouco mais sobre isso no artigo Reduza a ansiedade com a Respiração Consciente.

Espero que tenha feito sentido para você!

Se quiser ter acesso a mais conteúdos como esse, siga nossas redes sociais e acompanhe as publicações semanais aqui no blog.

Deixe uma resposta